Outros
04.05.2017 PI
Oficina de Rádio motiva debate sobre a problemática da mineração em comunidade no sul do Piauí

Voltar


Por Paula Andréas e Neto Santos - comunicadores do FPCSA

Mineração | Foto: divulgação

A comunidade Queimada da Roça, localizada a 15 km da sede do município de São Lourenço, no sul do Piauí, é uma das muitas comunidades tradicionais do território Integrado da Serra da Capivara que pode sofrer com os impactos do projeto de mineração que está em estudo de instalação na região.  O tema foi discutido durante a realização da oficina de rádio para os alunos do 8º e 9º da escola Joaquim Martins de Santana, que aconteceu nos dias 26, 27 e 28 de abril.

Realizada pela Articulação Semiárido Brasileiro – ASA, através do Programa Cisterna nas Escolas, a oficina traz como proposta metodológica o debate sobre os problemas e riquezas da comunidade. A questão da mineração surgiu durante um desses momentos de debate. Uma das preocupações da população, e também das organizações sociais que acompanham essas comunidades, é sobre a instalação dessas empresas na região, pois são necessários estudos sobre os impactos ambientais, mas principalmente de eventos, a exemplo de audiências públicas com o objetivo de ouvir a população afetada para que suas garantias e direitos sejam respeitados, pois para eles, não há clareza sobre as consequências da extração de minério próximo às suas residências.

A comunidade Queimada da Roça tem entre seus potencias a produção de mel, portanto, os moradores temem que com o impacto do processo de mineração os enxames possam ir embora, tendo como consequência a perda de sua produção, além da poeira tóxica que pode afetar a região. Um das peças sonoras produzidas pelos alunos durante a oficina foi um programa radiofônico de 10 minutos abordando o tema. “A nossa produção de mel pode ser afetada gerando sérios problemas para nossas famílias”, dizia um dos trechos do programa gravado pelos alunos. 

A comunidade Queimada da Roça está localizada à 15 km da cidade de São Lourenço do Piauí | Foto: Neto Santos

A luta para que o projeto de mineração não atinja as comunidades tradicionais envolve todo o território. “Estamos andando nas comunidades, dando palestras e orientado as famílias sobre os impactos negativos que estas empresas podem trazer. Sabemos que é um desenvolvimento para a região, mas sabemos também que vai trazer muitos problemas, por isso estamos visitando as comunidades para conversar sobre isso com as famílias”, disse Benigno Dias, presidente do Sindicato dos Trabalhadores/as Rurais de São Lourenço do Piauí.

A oficina de rádio na escola trouxe o debate sobre como a comunicação popular pode colaborar para que ela possa não apenas anunciar suas riquezas, mas também denunciar seus problemas. Com a presença da internet na comunidade e os diversos mecanismos existentes nas redes sociais é possível pautar para além das fronteiras as problemáticas enfrentadas pela comunidade.

O grande projeto de mineração planejado para ser instalar na região de São Raimundo Nonato, que inclui o município de São Lourenço, tem como meta de extrair alguns minérios, entre eles  o ferro. Uma das discussões que toma conta no território é a forma como estes projetos chegam e se instalam, sem garantir os direitos da população local, entre esses um dos mais graves é a possibilidade da expulsão das famílias de suas terras.