Semiárido
02.03.2017 CE
CDDH Antônio Conselheiro implementa unidade demonstrativa de produção de biogás

Voltar


Por Fram Paulo – comunicador CDDH-AC

A família do agricultor Edmilson Alves da Silva, construiu o biodigestor em parceria com o CDDH Antônio Conselheiro | Foto: Fram Paulo

Para conviver e bem viver no Semiárido é necessário a garantia de muitos direitos: água para beber e produzir, da mesma forma terra para viver e produzir; é preciso sementes para plantar e garantir a soberania alimentar, educação contextualizada e no campo,  mas também é preciso energia, principalmente para cozinhar os alimentos.

No sentido de ampliar as ações de convivência com o Semiárido, o Centro de Defesa de Direitos Humanos Antônio Conselheiro (CDDH – AC) implementou uma unidade demonstrativa de produção de biogás na comunidade de Carnaúba dos Marianos em Senador Pompeu-CE: trata-se de um biodigestor, uma tecnologia alternativa sustentável que favorece a geração de energia renovável, contribuindo assim para a convivência com o Semiárido.

O biodigestor acelera o processo de decomposição da matéria orgânica, na ausência de oxigênio, ou seja, de forma anaeróbica. Gera o gás metano, que é um gás de efeito estufa, mais prejudicial que o gás carbônico. A tecnologia foi construída com a colaboração da família que entrou com a mão de obra, e o Centro de Defesa com os materiais e a assistência técnica.

O agricultor Edmilson Alves da Silva, diz que sempre teve vontade de construir um biodigestor, mas não tinha o conhecimento técnico e as condições financeiras, mas através da parceria com o Centro de Defesa foi possível conquistar a tecnologia “que vai ajudar a família na economia, na saúde e na preservação do meio ambiente”, afirma o agricultor.

Segundo o assessor técnico do Centro de Defesa Alex Bezerra, que acompanhou o processo de construção do biodigestor, a matéria orgânica utilizada são os dejetos dos bovinos que a família do Seu Edimilson cria na propriedade. O que sobra é uma calda biofertilizante, o chorume que será utilizado no controle de pragas e os resíduos sólidos serão utilizados na adubação da terra para obtenção de melhores resultados em quintais produtivos.

Alex destaca que “o biodigestor diminui o impacto ambiental causado pelo desmatamento para a obtenção de lenha, impacta também a na questão da saúde, pois é o fim da fumaça e fuligem. Outro ponto importante é o financeiro, pois segundo estudos, o biodigestor produz o equivalente a 2 botijões de gás por mês”, afirma.

O equipamento que servirá à família do Seu Edmilson, será usado como unidade demonstrativa do Centro de Defesa, com o propósito de apresentar a outras famílias da região e estimular a implementação de outras unidades.